segunda-feira, 21 de junho de 2010

ALERTA VERMELHO NO PLANETA ÚTERO

Ah, a pílula anticoncepcional! Finalmente um método eficiente de evitar a concepção. E fácil de usar. Um comprimido ao dia, durante 21 dias, pausa de 7 dias e volta-se a usá-la.
Vieram depois os implantes subcutâneos, as injeções mensais ou trimestrais, os anéis vaginais com hormônios. E as relações sexuais tornaram-se possíveis sem preocupações quanto à gravidez. O problema da AIDS tirou bastante o brilho da festa porque, além dos anticoncepcionais foi preciso envolver o pênis em látex para evitar contágios.
Centenas de milhões de mulheres usam contraceptivos no mundo. Você que os usa, você que pretende usá-los, você que voltará a usá-los após o parto, sabe o que são, como agem, as consequências de seu uso? Vamos considerar que a maioria de vocês tem apenas uma vaga idéia do que é um contraceptivo, porque os médicos e as médicas que os prescreveram não as informaram corretamente e, diante do risco de engravidar, vocês não queriam mesmo saber.
Anticoncepcionais são hormônios, substâncias produzidas por órgãos chamados glândulas. O sistema nervoso e o sistema glandular são dois dos grandes sistemas reguladores do funcionamento do nosso organismo. Cabem aos hormônios inúmeras funções, sendo uma delas regular o ciclo reprodutivo, as funções sexuais.
Quando na puberdade seu corpo foi se modificando, quando houve a primeira menstruação, foram os hormônios os responsáveis por essas grandes transformações.
Esses mesmos hormônios, chamados sexuais, fazem a cada mês um de seus ovários amadurecer um óvulo e preparar o útero para recebê-lo fecundado, aninhá-lo e repetir o mistério da reprodução.
A indústria farmacêutica fabricava esses hormônios para tratar problemas ginecológicos. Como acontece freqüentemente em pesquisa, os cientistas médicos descobriram ao acaso que durante tratamentos com esses hormônios sexuais as mulheres não engravidavam. Passaram então a usá-los como anticoncepcionais.
Os primeiros anticoncepcionais continham doses altas de hormônios naturais, isso na segunda metade do século 20. Com o tempo e as pesquisas, as moléculas originais foram modificadas e hoje temos hormônios sintéticos, eficazes em doses muito baixas, com os mesmos efeitos, o que quer dizer moléculas mais potentes.
Por que os anticoncepcionais são tão eficientes no que se propõem? Porque simulam o estado hormonal da gravidez. Se uma mulher usa anticoncepcional por cinco anos é como se ele estivesse grávida nesses cinco anos, uma gestação sem progressão, sem feto e sem parto.
Essa alteração hormonal tão prolongada tem seus efeitos nocivos não só na saúde das mulheres como também na de seus futuros filhos. Se a mulher está, mesmo artificialmente, grávida, suas glândulas mamárias vão aumentar de peso e tamanho, tornando-se muitas vezes doloridas por excesso de estimulação hormonal, o que poderá resultar em adenomas, displasias e câncer.
Ninguém diz que anticoncepcionais e fumo aumentam em 35% o risco de tumor maligno de mama, e as mulheres estão fumando cada vez mais. E pouco se fala do aumento os casos de trombose arterial e venosa, derrames cerebrais e infarto do coração. Voce que usa anticoncepcional há algum tempo, queira, por favor, apalpar as suas mamas com os dedos em pinça, o polegar em antagonismo aos outros dedos e poderá sentir uma massa profunda que corresponde ao tecido mamário aumentado, só esperando o seu filho nascer. Suas mamas não sabem que não há nenhum filho se desenvolvendo. Agora observe seu abdomen, coxas e nádegas: possivelmente você encontrará acúmulos de gordura que antes dos anticoncepcionais não estavam aí. É material nutritivo de reserva porque você está – hormonalmente – grávida.
A vagina, naturalmente ácida para protegê-la de infecções, perdeu a acidez para não irritar os olhos do feto durante o parto que não haverá. Com isto, você está mais propensa a infecções urinárias e vaginais. Seu desejo sexual já não é mais o mesmo de antes porque você está “grávida” e a função biológica do sexo já foi cumprida. Você também sente enjôos porque o seu fígado sofre por estar processando continuamente os hormônios anticoncepcionais. Disto resulta mau funcionamento dos intestinos, você pode estar com prisão de ventre, intoxicando ainda mais seu organismo. E você está mais ou menos inchada, retendo líquidos para protegê-la caso sobrevenha uma hemorragia durante o parto.
Os anticoncepcionais hormonais, ao simularem a gestação, impedem a glândula hipófise de produzir os hormônios que estimulam os ovários a amadurecer mensalmente um óvulo. Durante o período em que a mulher os estiver usando, dois, cinco, dez anos, seus ovários permanecerão inativos, não funcionarão. Nenhum óvulo amadurecerá, não haverá ciclos hormonais, não haverá menstruação, pois o sangramento, quando termina a cartela de pílulas ou termina o efeito da injeção, é apenas um sangramento por privação hormonal. Tanto tempo parados e ops ovários poderão não voltar a funcionar, para gáudio das clínicas de fertilização. Os berçários dos hospitais estão cheios de gêmeos por causa disso.O bloqueio hormonal da hipófise poderá fazê-la produzir prolactina em doses altas, hormônio que estimula a produção de leite no pós-parto em condições normais. A contínua presença desse hormônio no sangue manterá as glândulas mamárias ativadas e fará seu desejo sexual reduzir-se acentuadamente.
Seus óvulos, quer dizer, suas meias-sementes, receberão durante todo esse período um banho hormonal que não deveriam estar recebendo. Disso resulta uma mudança no metabolismo do núcleo desses óvulos. Quando - e se - um desses óvulos turbinados por hormônios puder ser finalmente liberado para a fecundação, sua filha poderá desenvolver puberdade precoce, com mamas, pêlos e menstruação aos 8, 9 anos de idade, um problema grave cada vez mais freqüente. Já o seu filho poderá ter órgãos genitais menos desenvolvidos e menos eficientes quanto à fecundidade.
É possível afirmar, assim, que os anticoncepcionais fazem mal não só à saúde das mulheres que os usam como também prejudicam as suas gerações, futuros seres humanos. E a terceira geração de mulheres já começou a usá-los.
Frequentemente, adolescentes e mulheres vão a ginecologistas para tratar menstruação irregular. Saem dos consultórios com receitas de anticoncepcionais. Passam a sangrar regularmente todo mês e acham que o problema foi resolvido. É engano porque o sangramento não é menstruação.
A endometriose é outro problema que pode estar relacionado ao uso dos anticoncepcionais. Nesta doença, a mulher sente muitas dores no abdomen durante o ciclo menstrual. Isto porque células do endométrio, que normalmente só são encontradas dentro do útero e são responsáveis pela menstruação, se formam em pequenos ninhos celulares no abdômen. Sob o efeito do excessivo e prolongado estímulo dos anticoncepcionais, células tronco que se encontram espalhadas por todo o nosso corpo, transformam-se em células do endométrio, que sangram durante a menstruação e o sangue depositado nas paredes internas do abdomen causam irritação, inflamação e dor.
E o que é que eu vou fazer para não conceber, você perguntará. É uma excelente pergunta porque indica que você considerou a possibilidade de não iniciar ou interromper o uso de hormônios anticoncepcionais.
Há muitas maneiras de se ter relações sexuais sem engravidar, há o DIU, há a camisinha, há a tabela, há o coito interrompido. Exceto o DIU, que pode causar aumento do sangramento menstrual, os outros não fazem mal à saúde, requerendo certa disciplina, o que só faz bem.
Jamais, porém, jamais, ligue suas trompas ou permita que seu homem faça vasectomia.
Coube às mulheres a imensa responsabilidade cósmica de gestar a vida e preservar a espécie humana. Se os sagrados órgãos genitais estão sendo profanados dessa maneira, o que se pode esperar de nós humanos, em poucas gerações? Esta é a terceira geração de mulheres que usa anticoncepcionais em larga escala. E a população mundial só aumenta. Cabe também ao seu ou seus parceiros, mulher, assumir a responsabilidade que lhes cabe na contracepção. Por que o ônus tem que ser somente seu? Você se considera uma mulher emancipada, moderna? Então, para salvar o planeta Terra, algo com que todos se preocupam atualmente, faz-se mister sanear também o planeta Útero e suas luas Ovário 1 e Ovário 2, para que os que nele habitarão, por um certo período, possam continuar sua jornada, após a viagem do parto, em boas condições de sobrevivência. E já estão prescrevendo anticoncepcionais para mulheres que amamentam.


Dr. EDUARDO NAVARRO – CRM 30558
Medicina Vibracional – Medicina Corpo-Mente
tel: 30280638 e 9343.0264
e-mail: drmednat@yahoo.com.br

Um comentário:

Fabiana disse...

FIQUEI CHOCADA O QUE FAÇO COM O MEU POBRE CORPO, NÃO SABIA QUE FAÇO TANTO MAL A ELE.

Blog

Blog
Viva Bem Porto Alegre